Seleções

-
 
E há quem venha minguando sonhos
fazendo de milonga, recanto acabrunhado
de peão excomungado de toda sorte.
Bagual maldito que se esconde
de pinga, baile e grito,
pediu ao destino um traço bem reto
pra que dessa vida tenha por certo
o que nem Deus tem por justo.
Tenho pressa, mas tenho dom,
e meu nome em cada pedaço de chão,

tem glória e respeito que até lança faz curva.
Não sou lá de linhagem domada,
nem tenho dote à prenda escolhida,
só as mãos calejadas da lida, e um,
ou dois, projetos pra cumprir no regaço da vida:
O João Miguel e a Maria Luiza.
 
-
 
Agenda aí que tenho tempo de sobra, porque já passei da hora mesmo. Por favor, escreva aí que gosto de coragem, mas gosto de covardes corajosos, porque os destemidos do ridículo não se desafiam nesse feito. Eu quero uma anotação, não sobre o que fiz, mas sobre minhas intenções, quero quadros abstratos, e duas esculturas de mulheres nuas com jarros em mãos, dos quais verte água o tempo todo. Se possível quero um show ao fim da festa, e bebida em baldes, para lembrar do EXbaldar no dia seguinte também. Quero dormir acompanhado todas as noites da minha vida, porque esse lance de estar só, assemelha-se a canudinho em copo vazio. Veja bem, quero uma associação "free hugs" com representantes a cada dois quarteirões fantasiados de pessoas normais. Por fim, acho que uma muda de orégano, uma camiseta do grêmio, uma internet boa e uma geladeira cheia supririam as minhas demais ambições mortais.
 
-
 
Acho que é normal se sentir perdido às vezes, duvidar de si próprio e de todas as próprias escolhas, acho que o confronto consigo mesmo é o maior, o mais desafiador e o único capaz de fortalecer nossas virtudes e consolidar os objetivos que decidimos perseguir. É preciso olhar pra dentro de si, olhar aquilo que efetivamente caracteriza nossa história, grifar aquilo que dá sentido a cada dia da nossa vida. Não é tarde voltar atrás, fazer tudo diferente, assim como não é pecado aceitar o que já foi vivido e aproveitar o trajeto pra traçar novas conquistas. Errado é pensar que a supressão psicológica é indicação de maturidade ou comprometimento, bobagem, isso é tortura e nada mais. Maturidade tem mais a ver com alcançar a calma, é dizer que não sabe, ainda que saiba, é aceitar a derrota por preguiça do atrito, maturidade é saber o preço do agora, tem a ver com manter vivida toda energia branca que cativa as pessoas, mas claro, isso me contaram.
O que te motiva, o que te faz maior, mais forte, como se pode conhece-la se mudar de endereço, o que te traz a si mesma?
 
-
 
Tem muita coisa que passa, até a uva, sim, eu já sei, mas de repente a gente distraiu, deixou partir ou não viu chegar, e então virou vinagre. Estou falando dessa coisa de estar atrasado (em relação a) ou não ser tão bom sabe? Estou falando do esforço a esmo, da sobrevivência sem rumo que vira rota sem que a gente perceba e sucumbe a paz avassaladora de ser simples. Essas coisas nos perseguem, a incapacidade do neutro ante o golpe da acidez, nossa mente triturada de informação, de Síria, Dólar e Al-Qaeda. Sugiro calma, porque a pressa não recolhe detalhes, o tempo mostra o que o a vida oculta, e se fizer um troca, faça seis por meia astúcia.
 
-
 
Despues que me afastei
da prenda que amo
senti certo desânimo
em matear pelas manhãs.
Andei em desaprumo
por estâncias desconhecidas,
nascido ali em porto alegre
viajei mais que o guri de uruguaiana;
e agora que a saudade chama
se engana quem pensa

que compensa voltar ao inicio.
O destino de todo guapo
é galopar avante sem anseio,
porque a pressa da aurora
marca a hora de madrugar no campo.
Não se pode desembainhar a faca
pra ameaçar vitória,
aqui onde serviram nossas façanhas
quem pede luta, já merece glória.
 
-
 
Não sei ao certo onde tudo isso pode me levar, desconheço a finalidade de todos os acontecimentos e até sinto receio de que os desafios venham a ser maiores que minhas capacidades. Ainda assim, tenho muito prazer em pensar que estou aqui, porque só neste local há o que preciso aprender objetivamente. Imagino que haja alguma fórmula que pode tornar prejuízo em lucro e fazer qualquer variação percentual ser positiva, mas ainda não a encontrei com a precisão que esperava. Estou receptivo a qualquer resultado deste experimento, ainda que não me pareçam confortáveis algumas hipótese de desfecho. A roupa vai secar no varal, e amanhã números serão números.
 
-
 
É rápido estar formado, estar casado, ter filhos e trabalhar - infelizmente não nessa ordem -, e tudo acontece assim apressadamente porque a gente é que tem pressa, estamos sempre correndo com nossos planos de futuro, estamos estimulados a uma competição intermitente, somos guiados pelas conquistas precoces, somos moldados a morno, talhados grosseiramente, a fim de servirmos aos nossos projetos. Dessa forma a gente evolui, às vezes dá preguiça, mas não concluímos repousar, a gente permanece avante, tendo em si a cada dia uma nova etapa transposta. Esse é nosso ciclo, não desistir é nossa vitória.
 
-
 
 
 



 

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn