Eu busco almas vivas


E a gente precisa descobrir que não serve para ser modelo, não leva jeito para cantar, que não tem tanta habilidade para o futebol, e o mais difícil é que possamos saber nossas insuficiências - se é que pode ser chamado assim -, sem que sintamos como se tivessem roubado nossos sonhos. Não é possível que todos façam sucesso, sejam ricos e sejam lindos, porque realmente não há padrão entre as pessoas, somos diferentes nessa forma única de viver e perceber a vida. 
A conquista é transpor essa névoa de vontades indefinidas, de características pessoais inexploradas e chegar ao que chamamos de dom, trabalhar tudo que cativa nosso ânimo, fazer-se instrumento da felicidade. Por essa razão que escolher o curso na universidade é dificultoso e arrumar um local satisfatório para trabalhar é complicado, porque nós somos adaptáveis pelas arestas desbastadas, porém, o âmago jamais será algo diferente daquilo que já é. 
O ruim dessa história é que não conseguimos fugir do dinheiro, porque ele habita nosso sistema social, está incorporado às nossas ambições, faz parte da nossa rotina e não raro é um objetivo de vida. Claro que está errado, os valores foram invertidos e os homens abreviaram desejos com crime e romperam amores com armas. Agora tudo está assim, todos compartilham dias iguais de trabalho, ninguém planta flores, ninguém canta tirando o pó dos móveis ou sorri por simplesmente contagiar-se com a felicidade de outrem. 
Eu busco almas vivas, vem comigo?

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn

Sal