Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2012

pornografia própria

Oh, Maria, como tu és ambígua. Falas da lira, da sátira e do calor que faz na extremida sul, do ardor na tua sri lanka e quando vejo, à margem do tejo, toda água que na terra falta surge no teu corpo que se arqueia ao céu num movimento quase saudosista ao prazer.  Quero falar de sexo - diz. Tua mão sutil vai abrindo o zíper sem desviar os olhos dos meus, logo percebo tua boca quente iniciando um diálogo incandescente com meu membro enrijecido, sinto calafrios que transcorrerem minha espinha dorsal em toda sua extensão. Sem parcimônia, interrompendo a conversa, afasto tuas pernas e travo outra gruerra espermática, acaricio teus seios, tua vagina que logo em seguida avança sobre mim para teu exercicio de pompoar. Subir-descer variando os ângulos dessa trigonometria atritosa e sonora, quase teatral nas expressões, inventando uma pornografia própria, um jeito sem vergonha de transar conceitos novos de climáx no trópico leonino em que o ar alimenta o fogo. 
De quatro letras é sexo. Com qu…

Eu busco almas vivas

Imagem
E a gente precisa descobrir que não serve para ser modelo, não leva jeito para cantar, que não tem tanta habilidade para o futebol, e o mais difícil é que possamos saber nossas insuficiências - se é que pode ser chamado assim -, sem que sintamos como se tivessem roubado nossos sonhos. Não é possível que todos façam sucesso, sejam ricos e sejam lindos, porque realmente não há padrão entre as pessoas, somos diferentes nessa forma única de viver e perceber a vida.  A conquista é transpor essa névoa de vontades indefinidas, de características pessoais inexploradas e chegar ao que chamamos de dom, trabalhar tudo que cativa nosso ânimo, fazer-se instrumento da felicidade. Por essa razão que escolher o curso na universidade é dificultoso e arrumar um local satisfatório para trabalhar é complicado, porque nós somos adaptáveis pelas arestas desbastadas, porém, o âmago jamais será algo diferente daquilo que já é.  O ruim dessa história é que não conseguimos fugir do dinheiro, porque ele habita…