E descobri que me pertence, me destes de graça tudo aquilo que eu queria compulsoriamente. Agora o que guardei - economias postas debaixo das minhas costas deitadas -, são inúteis e só me servem às futilidades insaciáveis.

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn

Sal