Um cativo conquista


O café ficou parado e esfriou. Estagnou o afeto e o sentimento congelou no coração dos distraídos. Receio que as pessoas tenham esquecido que precisam assumir compromissos, que devem ser cativas para que possam ser conquistadas, talvez tenham perdido a capacidade de perceberem como tudo perde importância e valor a medida que fica esquecido. Todo dia vejo gente atarefada até os calcanhares, gente com dois empregos, presidente da associação de moradores e que cobra por hora até para se exercitar, tantas pessoas que querem ocupações infindas para evitar qualquer segundo na companhia de si próprio e de todas suas duvidas e incapacidades. Na verdade não sei o segredo ou receita de coisa alguma, sou péssimo para cultivar amizades e minha sociabilidade é de curto prazo, mas provavelmente a de todos seja assim, porque de fato é na convivência que as pessoas se descobrem e aprendem a lidar com os detalhes de suas personalidades.
Bem, estou meio abreviado, sem muitas delongas para acontecimentos cotidianos, minha vizinha esta de aniversário e a rua tem veículos por toda sua extensão, não há razão para detalhes. Sou velho, claro que ninguém aceita sem objeções minha conclusão juvenil, contudo é vivendo que se percebe que o tempo é algo muito particular, é muito mais individual que o consenso dos relógios ajustados. Penso que o desafio dos homens é tomar para si o desejo de serem desbravadores do universo, é cultivarem uma ambição que se encontra muito além do alcance de suas mãos e se motivarem nessa busca por todo o tempo de suas vidas, dessa forma ninguém terá satisfação em parar e ocluir a via dos sonhos. A motivação é a juventude dos espíritos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn

Historicamente Nú.