Defeque-se.



Sentou na privada para ter um momento consigo, sua tarefa era libertar o rejeito e pensar em um jeito de transformar suas contradições ideológicas em frases de efeito. O gelado do assento eriçou os pelos de suas coxas, mas logo estava confortável com calça e cueca arriadas. Encaixou os fones de ouvido do mp4 e escolheu a pasta do Raul Seixas: cagar ouvindo música era algo a ser experimentado, era um aspecto revoltoso da sua personalidade que estava para aflorar, afinal, ele não precisava dar explicações a esse respeito.
O meio em que o individuo vive, interfere-o. Claro que usava blazer e camisa minutos antes, poderia não ser, caberia usar qualquer outro traje que lhe fosse aprazível, o discutível está nas exigências de seu meio social, que só lhe credibiliza quando sua aparência física faz transparecer conquistas de supérfluos indispensáveis como dinheiro, por exemplo, nunca teve uma percepção tão nítida da importância que toda a humanidade dá a um papel de troca com significância monetária. Todos os anos de nossa vida são, com muito afinco, utilizados na busca de construir, conquistar, dever, pagar, explorar e ganhar, não que ele quisesse que as pessoas entendessem isso como uma inédita revelação suprema dos deuses, desejava apenas que elas pudessem viver, que buscassem amar por um tempo inteiro de pura entrega, chorar por uma semana inteira de pura dor. Não precisa espalhar isso em cartazes, proclamar a independência ou desenhar quando não são todos que entendem, basta ser gentil, perceber que felicidade faz falta.
Gostoso o barulho que dá quando o coliforme alcança a água e é engraçado que possamos comprar papel higiênico perfumado para sujá-lo de algo nem tão cheiroso. A descarga, sempre puxe o cordão da descarga, evite entupir o vaso e acostume-se a usar o banheiro para essa finalidade fora de casa. Coma mamão. Segredos que a vida ensina, ensinamentos que até o cú aprende.


-----
Nem rico nem faminto,
sou um ensaio à deselegância,
tentando uma nova espécie,
refazendo desleixo.
Um tiro na fé
um creio em deus pai
que tudo da pé.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn

Sal