Pestiado = Suspensão injetável instramuscular profunda

O certo é que somos máximos seres de vulnerabilidade, nossas vidas são marcadas pela busca incessante de um afeto ou amor ideal, de exaltação da vaidade, de nos divertirmos e nos mantermos saudáveis em tudo que a palavra exige. Foi então que eu deitei de bruços e veio uma jovem enfermeira, com vinte e pouquíssimos anos, loura e o tradicional jaleco branco, querendo introduzir uma agulha carregada com benzetacil na minha, até então, incólume nádega esquerda. Eu não chorei de dor, nem esperneei ou algo assim, mas a enfermeira conseguiu me deixar mais ofegante que qualquer outra mulher. Há um aspecto interessante a ser posto aqui, no município existem dois tipos de atendimento de urgência, o Pronto Atendimento e o Pronto Socorro, a diferença fica nítida no nome, o primeiro fora criado para indivíduos que pelo fato de terem um plano de saúde e serem financeiramente apresentáveis, receberem ATENDIMENTO. No segundo aqueles que não possuem plano e cumulam a infeliz característica de “não terem onde cair mortos”, estes até podem ser atendidos, desde que se mantenham vivos até que o SOCORRO venha. Uma disparidade interessante que meu cérebro analisava inerente às sensações curiosas de estar adoecido.
Na quinta-feira pela manhã, dando continuidade as peripécias que se iniciaram na segunda, estava eu pálido e fraco coletando uma nova amostra de sangue e mais uma vez urinando no potinho. A individua que coletaria minha amostra sanguínea era de uma simpatia quase exacerbada, em contrapartida conseguiu me propiciar uma percepção bem dolorosa do processo, e ainda pode elogiar a veia favorável à coleta. Em seguida apareceu outra moça, com óculos garrafais grandes que tapavam praticamente sua face, morena e com jeito de estagiaria ou congênere, esta conseguiu a fascinante façanha de manter um sorriso no rosto por pelo menos três minutos sem dizer palavra alguma. O bom da história toda foi perceber que não há jeito, vez ou outra a gente enfraquece e precisa ser guiado por outro que se dispôs a estar ao nosso lado para tanto, em algum momento nossos passos se perdem e precisamos tombar ao chão, comer barro e esperar que alguém nos tome para cuidar. Daí que humildade faz sentido, então que amar ganha proporção.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn