Vanessa


Algumas pessoas nascem de modo errado, vivem de forma errada e morrem de um súbito erro certo. Eu vim do indesejo, sou filha do inesperado quando minha mãe era jovem e suas pernas arejaram no vento leve do balanço da rede. Sou crua, um cumulativo de dores sucessivas e atitudes não tomadas. Poucos sabem dos submundos do mundo, a elite inocente que conhece fome, miséria, drogas e prostituição, não quer ferir a retina presenciando em alma presente o que acontece pelos becos, bares e praças. Abandonada pelo macho que me amava, tenho filha e uso suas roupas vez ou outra, se as minhas ficam largas. Trabalho no abate de aves, sem detalhes mais interessantes a esse respeito, e o melhor é que não contemos aos clientes de nossa vida, eles não querem sabê-lo. Vanessa meu nome e vadia meu pseudônimo, superei a fase de estranhamento e retenção diante dos fatos, eufemismos aos que se agradam deles.
Sexta-feira. Coloco a cadeira defronte ao bar e chamo os homens que passam. Vou pedir seu nome, onde você mora e logo que a primeira bebida estiver no fim vou dar meu preço. Ele me olhou com a brevidade de quem perde o jeito quando não sabe ao certo o que deve fazer, acariciou minha perna e sem dúvida alguma estava odiando a música que tocava. Por fim acatou meu corpo magro com os ferimentos que persistiam nos pulsos e pernas dos tombos e surras no quarto pequeno de luz verde. Uma transa curta e cansada, um banho rápido e frio, e a coisa toda estava completa.
Sentei na cama e secava os cabelos crespos olhando para o espelho enquanto ele vestia a bermuda, abri a bolsa e peguei uma trouxinha feita com aqueles sacos de lixo pretos, fui para próximo da mesa e despejei o conteúdo. Da carteira saquei a identidade e uma única nota de cinco reais que havia, fiz uma pequena linha branca de pó na mesa com o auxílio da identidade e um canudinho com o dinheiro. Já vestido e em pé, colocou-se apoiado à parede e me olhava. É isso que ameniza minha dor, que não me faz chorar – eu disse enquanto curvava as costas e inalava meu fracasso, minha escolha torta, meu destino traçado. Ele voltou pra casa, pra vida que acontece com as mordomias do sucesso, eu fiquei na mesma rua, na mesma cadeira, com a mesma pretensão de esperança: que cinzas de dores adubem o solo do afeto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn

Sal