rimar romã e religião

Embora não admitisse a existência de realidades inexistentes, fui embora, estou ausente de horas futuras e observar de longe é cultivar o carinho que permanece puro. Não haviam fotos partilhadas que pudessem ser rasgadas ou outras partículas físicas que precisassem ser queimadas para neutralizar a presença do passado. Nós apenas silenciamos nossa sede de amar, desacatamos nossa vontade de transpor fronteiras estaduais. Desde o início teu jeito havia me conquistado, essa paz tão correta, esse desenho reto dos fatos e toda essa mesma invasão tênue que descansa se fez presente pra dizer que eu não deveria negar nada. Tuas verdades presumidas deprimiram o bem que me fazia. Tive vontades oprimidas e incrédulos repertórios de humor diário, por fim, não sobrevivi. Sinto muito. Falecida hipérbole humana, ganha culto semanal celebrando os momentos lhe valeram a vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn

Sal