Orgulhosamente apresentaaaaa,


um devaneador e sua caneta bailante no branco da folha pura, 
inspirado em um pincel que coloriu uma imagem dolorida de vida.






Texto:

Atroz, Luz e Sombra

Ergui uma palafita furada de cupins na revelia que o mar azul dos teus olhos trouxe em dois terços do tempo que durou minha reza platônica carnal. Tinhas esse indômito instinto de criar e procurar distrações em descobertas novas e foi assim que me tornei campo de análise e exploração desta tua ciência insana. Tubo de ensaio sobre a mesa matinal, nosso caso não era teatral, era uma... [Leia mais...]




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn

Sal