Desfeitos

Talvez um século. Talvez uma vida. Não sei ao certo quanto tempo duraria, mas ao fim ele me removeu do sonho e me indicou o abandono como o quarto ao lado, mobiliado e claro na cor pigmentada do mármore. Estapafúrdio homem de seus tantos sonhos e ambições, na ânsia contínua de percorrer vias duplas que não convivem em paralelo. Eu queria seu tanto de singelo amor em tigela de porcelana como lanche da manhã, uma maçã do pecado e o instinto latente que me levasse ao errado pela fome do veneno que só em ti encontrava.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn

Sal