Escolha implícita

O celular tocando e eLe quer conversar comigo. Namoramos a algum tempo, sinceramente sinto falta da presença deLe bagunçando toda essa coisa de mundo. Já Ele não liga, raramente ligou, mas converso também através dessa ineficiente aproximação virtual. Disse algo, mas eu não vou ler, aquela luz laranja pedinte no canto inferior da tela e Ele não gosta de esperar minha resposta, o problema é que não vou falar com eLe e com Ele ao mesmo tempo, me sinto mal, é como se eu estivesse transando com eLe no quarto enquanto Ele faz o jantar na cozinha, estaria fazendo o jantar pois Ele tem essa mania de sacrifício pelos outros. Até não costumava comparar os homens, mas hoje em dia eu comparo, tô nem ai, sabe? eLe, por exemplo, deu-me uma nova visão das coisas e me apresentou um turbilhão de sons guitárricos, Ele não, bem menos intenso que aparenta ser, manso e de pouca emoção, claro que é legal, nem disse o contrário. Atualmente eLe é amigo, tenho muitos pra que eu não morra na carência dos picos hormonais, Ele é nada, babaca de pouca idade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn

Historicamente Nú.