De:Para:

E eu não sei amar, não sei ser bom amigo nem permito que se apaixonem por mim. Sou um espécime raro, o maior miserável que já desenhou uma casa pequena com um lago vindo do seio das montanhas em uma folha de ofício. Não sei da morte, não sei do sucesso ou do fracasso e não lido bem com nenhum deles, não sei ler a linha das mãos ou confessar a verdade dos meus sentimentos. Não sou um bom homem, não sou alguém que outro alguém possa admirar, não sou rico e meu cachorro rosna o afeto que me guarda. Sou entediado, não bebo cachaça, não uso drogas, não atendo o celular, não arrumo meu quarto todo dia, não vou a festas e escrevo mal. Sou fraco, magro e sem graça. Meu cabelo é escuro e grosso, parece um capacete natural, sou meio burro para cálculos fáceis, não rezo toda noite, não leio a bíblia e cobiço a mulher do próximo. 

A propósito, eu sou um homem imperfeito.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn