Dêem vivas à revolução!


A juventude se mata,
 
 
 
 
 
 
morre burra de liberdade nas vitrines da rua principal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

UM eu NÓS

Licença poética.

O déspota solitário de Tallinn