Reconhecidos

Ela está em declarado estado de emergência, mulher de calamidade pública e umidade púbica que me ama enquanto da narrativa de morte e desgraça diária do William Bonner no jornal nacional. Sofá e faço sala pra abelha rainha, ela só faz charme nesse ciúme agressivo com geminianas que erguem pára-raios na minha tempestade de hormônios juvenis, crio um anexo de orientação: "como ser feliz ao lado de uma mulher perfeita", não pense que é fácil com açúcar e frutas que se come em dupla. Na fila do centro de saúde ninguém me disse que o segredo é não abrigar o que incomoda, não dar encaixe à peça falsa, você precisa manifestar o descontento para que não constate que a presença se tornou insuportável abrindo uma cadeira de praia no parque no auge do declive dos seus setenta e dois anos. Tornado de vento forte ela me destelhou a total capacidade de avaliar onde termina o sentimento e se há cores que não  azuis. Nem tudo vem ao caso, mas o acaso muda o fato, porque ela vive com sapos, príncipes e sonhos virgens de ódio em um pântano encantado. As almas reconhecem outras que vibram de maneira especial, seleciona e relaciona, uma sintonia fina, de ondas curtas mágicas, antena esticada à procura de Gláucia estação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn

Sal