-

Não sei se me escondo ou fujo milhas em qualquer direção. Sento à mesa e o manjar desce pedregulho como a muito não sentia. Todos baixam a cabeça e a mulher que senta a minha esquerda faz um gesto em negação para aquilo que o homem da outra ponta fala em provação, a minha direita a moça come com um asco atenuado deixando transparecer a vontade de estar noutro lugar que fosse mais arejado e agradável. Respiro e dou uma mordida no pão caseiro, um gole de café com leite e que habilidade extraordinária desenvolvi de fugir para outras dimensões. Os cães latem em volta da mesa e pedem um pedaço de comida, uma sobra do queijo, da mortadela, um resto de piedade e logo alguém esbraveja para que fiquem em silêncio. Ele diz mais alguma asneira bêbada de vinho branco e chama meu nome na língua enrolada, o espírito desce ao corpo e dou um salto de realidade, levanto da cadeira sorrindo e concordo com aquilo que ele havia dito levando um palito de dente até a boca. Pedem pra que eu minta: vai, elas não precisam saber - meu corpo rejeita, minha cabeça se enche e vou tomando dos rancores alheios até que um descarrego apareça do raio que lanço. Assisto a um filme romântico de domingo à tarde, todos tiram sua sesta e não posso dormir em tempo de paz. Uma telha, duas, três e quando vejo o teto desmorona sob nossas guampas efetivas ou futuras, escombros e nos ombros só o fardo da aparência, só a certeza da nossa ausência, o caderno bordô dos solitários. Uma torta de aniversário vou comprar e enviar por correio com uma carta e quatro galões de saudade que armazeno por dois anos. Escoro-me no balcão ao lado da pia e converso algo sério, poucos sabem o quanto é raro ter do meu descomprometimento, e, de alguma forma o porre se controla, mas sinto medo quando ele resolve descer as escadas até o porão com as pernas trocadas e os olhos brilhantes. Sou corrimão, ouvinte discreto, procurador por procuração de suvenires baratos e caçador de marrecos mansos. Vendo candeeiros para enfeitar as varandas, vendo o fogo que acende e o vento que apaga.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn

Historicamente Nú.