Título não faz síntese de infinito!


Existe de ti em mim
uma euforia voluptuosa
que vem franca e cola
em minha face riso esticado.
Quem distrai é tu, enfim,
refazendo tudo,
desordenando mundos,
pendurando quadros
pelas paredes dos meus sonhos.

Não sei ao certo se tens cor,
se tem tom o teu cabelo
ou se és o espelho da beleza
que cobiço. Desperdício
é viver no frio sozinho,
querer teu tanto de carinho,
sem deitar no colo ou contar estrelas.
De paraíso entendo pouco,
- não duvide,
Meus desejos são do inferno,
quentes e não menos ternos
que os dos anjos de escultura.

Já conheci mulheres vis,
baronesas não, és a primeira
por isso vem, vem faceira que te quero
lisonjeira eu espero:
te protejo do barulho
te resguardo um pensamento
te faço um amor novo.

(Seção: responde quem entende a indagação)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn

Sal