Glaucia Sognante II

Surpreendeste-me e eu gosto de surpresas, como gosto de cerejas sem gosto e cerveja sem álcool. "Silêncio" repetido três mil vezes como mantra para dar paz ao meu espírito fugaz, para ser manta e amarra que estanca o sangue que jorra pela vértebra da hora e da veia aorta.

- Acreditas em pecado?
- Não. O pecado é instrumento pra podar a ação humana diária, é invenção católica pra ver homens arrastando seus cadáveres de culpa, pesos inúteis que não acrescentam nem evoluem.

Fui induzido ou abduzido, porque tanto faz, e, não há o que se desculpar, não há nada de errado em estar vivo, ficar preso no crivo do deslize ativo do sentir. Mas o surpreendente é eu ficar sem saber o que dizer, sem que o pulsar saiba como fazer inflar os átrios e ventrículos de perigo, tremendo os dedos que escrevem medos que tive e que tenho. Porque no meio de tudo tu me revelas o Universo Inteiro que há em alguém que me lê, foi um sobressalto e nem bem percebi do que se tratava: de ti as coisas soam tão boas que nada muda de face, nada apresenta disfarce pretexto de escárnio aos terceiros que saibam. Respiro longo, profundo, e te conto que meu sono foi ruim, não tinha freio de mão nem desvio de destino. Então, preferes o que entre a "dor" e o "nada"? Que seja a "dor", a qual evito com tanta esgrima, com o milímetro de vida que não me adoça o tédio. Quando tudo é igual, ninguém faz a diferença, por isso és a benção do vento minuano e todo meu sotaque gaúcho tem lembrança no teu comentário que não o faz ridículo. Sinfonias e canções, acordes e acordeões a que Letícia se referia. Agora entendo, e bem antes nem queria mais entender que sou tantos pra dividir tudo que sinto sem perturbar o instinto lógico de ser mentalmente saudável. "Sou pelo clímax, pelos picos de sensações, a transfiguração acontece quando o experimentar te leva para uma  dimensão nova e aquilo te estimula a ir além e sem fim é o ciclo. Nosso corpo é uma mina de explosões desprogramadas, campo semeado de toques não tocados, nosso corpo é a espera de se sentir carnal" - e assim disse para que não te prendesses ao minúsculo estímulo da privação. Todos escondem algo, um segredo (um pecado?), vou estar atento agora, em agudo. Mas deste leilão me levaste gratuito, frêmito de um caso fortuito de amor e susto. Se pudessemos voltar atrás, sei, faríamos tudo igual novamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn

Sal