Ego Grand


É a mim que pertence o gozo
e não sei bem se é pena ou nojo
o que sinto de quem se convence
que sente vergonha de ser 
reprodução de Narciso.
(Poupem-me um novo rumor,
já inventaram o espelho
pra que ir até o lago?)
O cronômetro corre
e se bobear a gente morre
(não afogado!)
sem sinal-fumaça do ópio
que só faz quem é apaixonado
por Ninguém.

Além de si próprio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn