[E eu tenho apostado nisso]


Não crio tragédias, faço finais. Os finais não precisam ser trágicos, é uma questão de escolha. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

UM eu NÓS

Licença poética.

O déspota solitário de Tallinn