-

A caneta termina quando o poema começa
na tentativa de impressionar, pressiono a escrita
vou rasgando versos, arranhando a folha
pra sangrar de tinta alguma emoção.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

UM eu NÓS

Licença poética.

O déspota solitário de Tallinn