Amada - O início.


E no despertar,
todas as vezes que o sol se pôr,
faça-se o sentimento em torpor intenso
a fim de que todo tormento
tenha abrigo na penumbra leve.

Que os desejos e dores mortos e revividos,
estejam escarnecidos na expressão da minha face.

Desejaria, é que contemplasses
O horizonte se assolar em eco,
Buscando - intrépido,
não imaginário
amor.

(Seção: responde quem entende a indagação)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn