AbroaBOCAdabra!


Na ampulheta fico atento 
a cada grão de arroz, feijão,
de areia que desce - ou não -,
como se fosse descer pela minha garganta, 
como se fosse semente e 
fizesse nascer uma planta 
no meu dentro:
abrO a boCa
pra que saia;
em flor em galho 
e sombra e chá,
frutos meus
de mim.

Tenho tentado definir se sou predominantemente uma Emoção, ou predominantemente um Sentimento. Isso altera nosso campo de visão, perceber as coisas pelo olhar da vida útil, menos ou mais perenes. Fato é que sinto como se algo percorresse meu corpo e REfizesse todos meus movimentos, REpaginasse todo meu grande livro de capa azul e escrito dourado. Não sei o que é exatamente. Você já se sentiu "bom"? É assim que me sinto, tão diferente perceber que existe bondade em si próprio, parece até socialmente repreensível. Ódio é gênero mais natural, morte, guerra e sanções econômicas ao Irã no Jornal Nacional. Hábito de maldade, sabe?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn

Sal