Faz parte do meu Show, meu amor.

[Ao Poeta do Rock]

"Enfrentar o palco para mim é tudo. Aflora um lado sensual meio incontrolável. Às vezes, entro de pau duro, a coisa pinta até antes de subir ao palco... Outras vezes, entro morrendo de medo, mas, cantando solta a tensão. Sem brincadeira, é lance sexual mesmo. Fora do palco, sou tímido, um menininho, me sinto profundamente desajeitado. Mas, no palco, sou um Super-homem, de pôr a capa e sair voando. Sinto o sexo aflorando, olho para as pessoas e sinto que tem uma coisa também, que volta em resposta. Porque estou mostrando uma coisa bonita que eu compus: não sou humilde, gosto mesmo do que faço. É muito o lance do prazer, eu e a platéia transando pra caralho". - Cazuza

Eu penso que o tempo vai ficando amarelo com o passar do tempo, por isso é que a gente não pode ficar em casa esperando que as coisas aconteçam, rezando pra que o nosso par ideal apareça, permitindo que a nossa bunda cresça na constância de estar sentado. Já basta o mundo girando sem sair do lugar, eu sou movimento, chuto a porta e entro sem pedir licença, mostro as mazelas e misérias, sento e deito com os amigos, a gente repara na dose, se serve da poesia e aí tá tudo certo.
Minha vaidade é passeio turístico pra burguesia sadomasoquista, meus prazeres são manchetes pras revistas de fofoca, o cigarro é tóxico relaxante e todo amor que houver nessa vida está em estandarte na minha camisa. Corro (no) risco, é sempre onda que eu tiro, traço de bêbado e frase clichê. Não sei bem o porquê, mas gosto de escrever na máquina, ver a música ali como se estivesse impressa, pronta e temperada. Acho que é mania minha querer o estalo que dá quando a letra passa a existir no papel, magia de ervas que alinha os versos e faz companhia.
Eu tô pelos bares, pelos lugares escuros, pelos banheiros de restaurantes, tô pra amar e não tem cadeia pra quem ama, não tem chão que não se mova. Faço pêlo com pêlo, eu enveneno as convenções: me ama assim, me ama todo, me nega o corpo, me faz de louco, me esconde o medo. Atrás desse lugar já há outro e se tudo termina na morte, então, eu só escolho, porque nasci mesmo meio anjo - meio demônio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn

Sal