"Letras de neon em cada frase"


Tu consegues me deixar mal, juro! Nunca amei mulher alguma que me deixasse mal, mas contigo difere: tu me atiças, me ferra, prende e encera o parquet da minha poesia. Fico perdido, apaixonado declaro que sou um inexato homem vendido ao teu próximo dito. Por que me judia assim, pisa, acaricia, excita e imola? Nem é the end pra fugir e comer pizza de lombinho e escarola. Ora essa, te chamaram?! Pra que pressa? Tira essa roupa de trabalho, atira as meias no chão, o sutiã na minha cara, ama baixinho ou grita em anúncio aos vizinhos desse puro sexo pra nascer neologismos na nossa língua molhada. Sinto medo de não te ler, volta mulher, preciso te beber, tocar na tua pele e anelar teu dedo certo. Bi-polariza nossa relação, combina os pólos e conduz a energia nos fios da nossa nobreza galega. Confessa, sou teu padre em gaiola de mogno, conta teu segredo mais guardado, guarda a insegurança da passagem, pra nós, só reza braba, oferenda de sacrifício e os Santos nem lembram mais disso que a gente sente Vampirescamente.

-


Para Sonhadora,

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn