2º andar, 201 - das Andradas.

O interfone do prédio ficou sem voz
Aguardava que ele fizesse algum som
Que apitasse alguma coisa
Definisse um chamado pra destrancar a porta.
Não.

[Foi-se o gás da água mineral
(e também não voltou mais)
A geladeira esfriou sem comida
Escureceu a rua de dia
Acho que era mesmo um  temporal que vinha,
Mas eu dormi antes
Encostado na parede
Agachado na vertigem da espera.
Assim descobri por ti:
Sou um achado
Disputam compartilhar meu espaço
Dou um espaço e disputam
um achado ainda não compartilhado.]

Daí vem de longe um eco rasgado
O interfone foi tomado de um medo cego
Tremendo pedi um nome
E que subisse com muita pressa.
Doutro apartamento, não sei qual
Mas enganos acontecem
Entre! – esteja à vontade
Mata esta ânsia, 
já nem mais saudade
- Estranha.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn