Da temperança


Não mudo pra agradar ninguém - foi a cara que ela fez. Vi um riso esguio nos lábios e uma vontade macabra de esganar-me - audacioso! Todas as coisas são feitas de fumaça, levei tempo pra perceber isso, mas hoje sei levitar e aconselho assuntos que transcendem minha carne. Desconheço por que vim e prefiro não definir para não poder explicar. Você quer algo de mim? Não sou anjo de gesso ou jasmim de apartamento: não me regue nem me reze. Será que você pode ser mais objetivo, será que pode perceber que já estou pronta para viver uma história mais de amor?! Ela se inclina e respira, quase cansa da vida e já espirra da gripe. Ele some, sumo: todas as coisas são feitas de fumaça.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn

Sal