Nascer novamente!

Falo que mudo. Acredite, eu ignoro, mas não sou burro. Sempre e toda hora é a mudança que me percorre. Diferente agora daquilo que parecia antes. Bebo todos os venenos que são deliciosos e me enojam os remédios que não agradam ao paladar. As coisas poderiam ser diferentes, você já pensou nisso? Gosto desse item que as pessoas ocultam.

Talvez eu devesse ser algo mais interessante no delinear da praxe da conquista. Quem sabe eu poderia... nascer de novo, e, se viesse de um ovo?! Seria um galo então.
Percebo que eu poderia amar mais - amar o amor de casal nas barcas de Veneza -, não ficar nesse intermitente exercício de atirar charme de baixo calão pra todos os lados, essa busca tosca que não objetiva conquistar alguém, mas sim encontrar alguém capaz de conquistar. Adiantaria? Tenho vivido uma realidade "meia-boca", até que tem um sorriso lindo, contudo não convence, não explode, não extravasa! Fica perdida tentando ser algo de bom no tempo da convivência. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn