-

"Quem escreve vira nuvem. Uma nuvem não se corta com a faca de serrinha que destroça a carne requentada do almoço de domingo, não se pode guardá-la na caixinha de música da namorada, polir, fazer reparos ou definir a próxima forma que tomará. Nuvem não pertence, às vezes muda de cor, mas não cheira nem tem sabor. Livre, precisa é de um céu para existir e só."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn