Life is Wonderful

(Da festa de despedida de uma colega de trabalho. Sinceramente não sei como as palavras “festa” e “despedida” podem estar na mesma frase. É um recomeço e a mudança rejuvenesce, favorece cicatrizações, abre nossa mente pra tudo aquilo que ainda não ousamos fazer e isso é bom, é a isto que devemos comemorar. A despedida é melancólica, gera aquela perturbação irônica na nossa consciência de que não dissemos tudo que queríamos, neste caso o mais conveniente seria se deleitar nos abraços intermináveis com vestígios de choro.)


Nas peripécias do dia-a-dia é que verdadeiramente descobrimos o valor das pessoas, nesse vai-e-vem incessante de risos e ânimos inflamados, no caminho tortuoso da dúvida, do sentimento não transformado em verbo ou expressão facial. Assim, quando o céu enegrece e não há corrimão no trajeto íngreme, quando a adrenalina acelera nosso coração, contrai as pupilas e ofega a respiração, precisamos é de alguém que nos guie, afague nosso medo e diga que tudo vai dar certo, que coloque a mão sobre nosso ombro ou mire os olhos esperando ansiosa a explicação mais verdadeira e racional que os lábios puderem pronunciar. Alguém Estrela, que dê um norte na luminescência da sua ação tão simplória e admirável, que seja mulher no aspecto mais forte de sê-lo, que admita o desconhecimento de algo quando assim o for, incisiva e franca na sensação incômoda, humana no contorno mais genuíno da palavra.
Ester, disse um poeta que a saudade é privilégio de quem ama, aquela nostalgia branca que tenta deixar dolorida a continuidade dos fatos é o presente daqueles que ansiavam pelo teu comprimento matutino de bom dia, amantes de te ver derramar um riso frouxo ao telefone, apaixonados pelo teu espírito alegre preenchendo cada espaço de um Tabelionato, apaixonados até pelas tuas provocações tão convenientes e sutis aos torcedores do time rival, fascinados pela tua sabedoria, eqüidade, justiça e afeto infindável com qualquer pessoa que obtivesse alguns segundos que fossem da tua presença.
Dessa forma foram dias e dias, e tantos que se transformaram em anos, tua mesa mudou de posição, tua caneta ganhou a importância de ser manuseada no ofício de Escrevente, chegaram colegas novos, partiram outros, incessantemente centenas de xícaras de café se encheram e esvaziaram, houve festejos de aniversário, almoços na véspera de natal e revelações de amigos secretos. Tu foste uma cúmplice tão fiel aos teus colegas que hoje é amiga, choraste como uma menina que descobria a dor da injeção e compartilhaste sem comedimento os turbilhões de emoções que bailavam na nossa rotina, quando a carência perturbava abria teus braços na plenitude do abraço mais fraterno que poderia dar; é dessa maneira que nós te amamos: entregues, pois viver contigo é dar um pedaço de si para receber outro e então se perceber completo de alguma forma.
Guarde o melhor de nós e vai, embarca esse novo rumo, segue essa brisa que leva pra uma praia maior cheia de cores e sons, repleta de promessas do porvir, jamais terás fuga da nossa lembrança. Estrela*, te amamos.

*Ester, nome de origem Hebráica que significa Estrela.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn

Sal