Perdas e danos


Resta uma lasca, um pedaço pequeno, milimétrico de vontade de ti. Vontade do teu cheiro, das formas deslizando na minha mão e teu corpo se aconchegando no meu, o desejo se esgueirando nas palavras sussurradas e o coração martelando o tórax. 
Andava sempre na tua direção, pelo caminho ensaiava uma oração pra que fizesse lua cheia e pra que cheia não ficasse de mim, pecava sem acreditar em pecado e pensava que com amor nada do que eu fizesse estaria errado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn