Elisão


Pensamentos pobres com retoques nobres.
Profissão de esculpir atos lícitos e cenas pudicas.
Exercício de acumular pedidos, promessas,
Dores e visões do porvir. Cumpridos e compridos.
No sótão enferrujam as algemas do meu sentir
Guardo banhado de pó tudo que jaz repousando,
Regado de ódio um tanto e outro, ainda amando.
Amasso-me na cadeira e o suor salgado e quente
Desvia do controle dos meus poros
Escore e lava meu caráter visigodo.
Enternecido, lanço mão de alguns truques mágicos
Angariando ouro, prata e adeptos causais de precipícios.
Sorrio maligno.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn