Coke

 
opoisfoi  
Você me deixou com preguiça de ser
normal. Que sinta desapego por mim.
Sabe, tô me sentindo meio coca-cola hoje.
Percebeu como todo mundo é fascinado por
algo ilimitado, ardente e molhado?
Tenho sido uma imitação do que
sempre quis ser. Olhe eu ali:
no jornal, na televisão, em você.
Na gaveta, debaixo da poeira e
pelas prateleiras se amontoam os
livros, vícios de fuga-esperança.
Tenho sido Bandido. Você se agrada
do Mocinho?
Nem acredito em tudo que ouço
Não dou crédito pra tudo que falo
Agora é tudo bobagem, faço canções
de desencanto depois das dezenove
na garagem do Pedro e da Camila.
sol menor é Dó maior.
Minha saliva tem gosto de sabão,
espumo de raiva. Quando lavo louça
quebro os pratos e sempre sou
desastre na vida de alguém.
Não, não é de guarda-chuva,
eu sempre esqueço me roubam ou perco.
Estendo-me ao longo de todo o tapete
e lanço pelos ares cartas do
baralho. Sempre sou desastre
na vida de alguém.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn