O que você faz com ela?


Atesto que minha testa

segura da sobrancelha
o peso de seus - que são
meus - pêlos.
Se me escapa o controle
e por descuido escorre,
um tanto de espuma
em direção ao olho,
sei que me salvas
à vista
ou a prazo, é fato que lhe pago
mas não aparo
taturanas tais.
Se inclina quando indíguino
e fecha na raiva despertada,
é ainda sugestiva à libido,
quando desce junto a pálpebra
em flertes enamorados.
Salve pestanas,
celhos que vivem na sombra.
Que vidas têm?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn