Pensam, os outros.



Sou independente do alheio.

A eles, qualquer cousa é outra.

Por isso sou outra cousa

Que não o transformismo exato

Dos pretextos conformistas.

Sussurram meus respeitos:

Feitos, desfeitos e insatisfeitos.

Contam o que viram,

Mas não souberam. Toda verdade,

É mentira semeada em solo fértil.

Lamento. Segredo.

Conclua da semente a fruta,

Mas desconheça aroma e doçura.

Se percorro o mesmo círculo,

Perco meu centro.

Se engrandeço minha causa,

Fico demasiado pequeno.

Sou e me deixo ser. Só.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn

Sal