Peace and


Dito I


Tanto amor, tanto

Que não caibo em mim,

Extravaso pela afetividade.

Desejo morar no abraço,

Acabar com o espaço

Que nele possa haver.

Quero ser orientador pacífico

Na costa Atlântica,

Ser parte do todo, consta:

Mar, areia, céu, vida...

Sem sono conturbado,

Dormir em uma cama estreita,

Coberta fina e lua acesa,

Reconstrutor de sonhos diários.

Deixe,

Que flua a energia.

Tanto amor, tanto.


Dito II


Mas, não é deste que falo

É o outro, o descoberto.

Não aquele cego e incendiante,

Puro e sincero

Para com um ser apenas.

Falo doutro, pois,

Aquele dos monges bêbados,

Dos meditadores de penhascos,

De dar-se em plenitude.

Reconhecido: amor

De compaixão, de

Dia-a-dia. Lembra-te

O sentimento que move à caridade?

Algo tem de ser bálsamo.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn

Historicamente Nú.