Postagens

Mostrando postagens de Março, 2009
Imagem
As sombras não usam roupas.
Quando se aproximam, encostam,
Estão sentindo-se na textura da nudez.

Notícia de Antemão: Conflito.

Imagem
O dedo Indicador, enraivecido, levantou-se e disse com aspereza: - Você não tem o direito de me utilizar dessa maneira, seu... seu... porco! Ele tremia de medo ou inquietação, sabe-se lá, mas estava furioso e isso era nítido. Todos sabiam que ele tinha um amigo que conquistara a fama de ser perigoso e certamente cogitava a hipótese de chamá-lo, fosse necessário, para resolver a pininba. - Veja bem, seu imundice, eu chamo o Mata Piolho, olha que eu chamo! Aposto que ele resolve este causo de desgosto em dois apertões apenas. A essa altura o suor já vertia pelos seus poros, ele invocava o Pai de Todos com força e não via a hora de entrar no bolso para descansar. Foi quando, para restabelecer a harmonia aos moradores da Mão, apareceu o Seu Vizinho que consigo trouxe, sempre muito sábio e comedido, o Anelar. Este, benevolente e alvo, disse: - Uso esta aliança, pela lembrança, da paz.

Ritardo, per piacere.

Imagem
- Estudante -

Acho que me atrasei.Vais me perguntar do por quê?Prefiro que não o faças.Deixe-me, rápido, ajeitar o cabeloSecar o suor e Corrigir o sorriso torcido.Pronto, bem melhor,(caem os livros).

Peace and

Dito I
Tanto amor, tantoQue não caibo em mim,Extravaso pela afetividade.Desejo morar no abraço,Acabar com o espaçoQue nele possa haver.Quero ser orientador pacíficoNa costa Atlântica,Ser parte do todo, consta:Mar, areia, céu, vida...Sem sono conturbado,Dormir em uma cama estreita,Coberta fina e lua acesa,Reconstrutor de sonhos diários.Deixe,Que flua a energia.Tanto amor, tanto.
Dito II
Mas, não é deste que faloÉ o outro, o descoberto.Não aquele cego e incendiante,Puro e sinceroPara com um ser apenas.Falo doutro, pois,Aquele dos monges bêbados,Dos meditadores de penhascos,De dar-se em plenitude.Reconhecido: amor De compaixão, de Dia-a-dia. Lembra-teO sentimento que move à caridade?Algo tem de ser bálsamo.

Do Retorno.

Imagem
Quarta ou quinta,Não sei.Só sei que esperei,Ora, você disse que viria,Não veio.
Somente o carteiro:Trouxe-me o bocejoDa esperança morna,(que ficou no portão).

il Prete Rosso

Imagem
Ah, tranqüilize-se, não vou chorar
No entoar da Clássica Música.
Dança a Alma, criança da certeza,
E movimenta a mão na brincadeira
De entortar a melodia perfeita.

Vivaldi que me perdoe,
Os esboços orquestrais
À “Las Cuatro Estaciones”.
Antônio Lúcio que renasça
No quatro de um Março,
E novamente faça
Mais setecentas e setenta Obras
De concertos e óperas.

Fico corpo flutuante, tal qual nau européia
Desbravo, navego, levito, sinto
As notas adentrando em cada poro
Do tecido epitelial musical.

Mais de trezentos anos na imortalidade
Pedem uma reverência congratuladora espectral.
Das gôndolas de Veneza
Acena “il prete rosso”,
O do tardio Barroco em sinfonias.