The Secret


Não preciso mais,

De Amigos Secretos.

Em bem verdade, eles

São completamente dispensáveis

Posto que só aparecem para o presenteio

E pós somem ou negam o nobre título.


Há, admito, exceções

Mas não convivem com o sigilo.

Amigos sem comedimento

São os verdadeiros,

Impossível seus conselhos

Com qualquer tipo de receio.

São libertos no amor,

É o pensamento que lhes ocorre

Ao bem-estar daquele a que zelam.


Ao meu vai uma camiseta,

Pois certamente vamos estar embriagados

A regurgitar cambaleantes uns nos outros

Usufruindo do meu ganhado kit caipirinha.

Noutro dia esquecidos

Dir-nos-emos: Bom Dia, normalmente

Como se nada, enfim, houvesse ocorrido.


Nesse campo da amizade fraternal sazonal,

As cousas duram o tempo das risadas

Pelas asneiras e mancadas acometidas,

Estas que futuramente serão os tais

Aspectos negativos ressaltados

sabem por quem?

Por algum,

diga-se de passagem, “Secreto Amigo”.


(Auto Avaliação: Quase infantil a forma como fora escrito)



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn