Da Alma Mundana


Recolhe minha alma perdida

E guarda num saco de sarja

Com algumas batatas apodrecidas.

Alma pirata, cega de olho e perna de pau

Bandida, armada e fugida!

Quidê a safada?




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn