Estilhaço de Mim



Quem é este, Imagem,

Além daquele protótipo enfurecido,
Ignóbil e estapafúrdio
A distribuir o sorriso enferrujado?

Já desgastara suas técnicas
De simpatia e persuasão
Hoje, perdera aquele ‘ânimo’
E toda Imagem é tão falsa
Que se perde na ínfima baforada
dos lábios
Ou no banho quente do banheiro verde
Por detrás da cortina de fumaça.

Se esvai com tamanha facilidade,
Que não poderia protagonizar
Base para conceito.
Eu, material palpável
Sou objeto refletido ao inverso
Retorcido, revirado
Centenas de vezes
Nos olhos apurados
Que me buscam
Numa imitação desfocada.

Quem é este?
Tem olhos brilhantes e fugidios
Cabelos emaranhados.
Mas escapa da mão,
Perco o controle,
Espatifa-se, o espelho!
Quem são estes
Senão a mentira multiplicada
Por cacos de vezes?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn