Impressões da Quarta (feira)



E porque não?
Casal de papel enfeita vitrine
Sempre bem vestidos e sorrindo,
Próximos a um banco de madeira
Com oito pequenas almofadas,
Perfeito por hoje!
Liberdade pra trabalhar até mais tarde
A meia luz de salas climatizadas
Porque todo o esforço seria vão
Sem um subjetivo objetivo..
Noites frias em que volto pra casa
A cada dia mais envelhecido pelo dia
A cada passo mais metodotizado
Pela lavagem cerebral social
E reflexiono o que não vejo
Através do pouco que me é completamente nítido.
Estrelas, sim, a única
Certeza de presença,
Ainda que jaz sua existência no ontem
Haverá brilho ofuscante por muitos amanhãs
E se um céu de nuvens me lançar à solidão
Haverá a lembrança das constelações sul
Até o sol da manhã..
Deve ser, esse mundo, um gigante berçário
Com todos aqueles acessórios dependurados
Sobre a cabeça da criancice de nossas horas
Entretidos somos mais felizes
Ou menos birrentos..
Dinheiro? Só pra morar
Menos longe do inferno,
Tomar suco de laranja
Na refeição matutina, parte externa da cobertura..
E no vespertino:
I really want you..
I really want you now..
Feito pato!

Eu caio, na sugestão
do leve riso à lábios molhados..

‘™


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn

Historicamente Nú.