Portas Abertas - UFRGS



Dia dezessete vamos pra Porto?
Sim, o Alegre!
Ou nem tanto assim,
O nostálgico talvez,
Porto das Lembranças que aportam
em seus imensos navios acinzentados..
Lá vou decidir o futuro
(não muito característico)
Descer do muro
pegar o prumo de homem determinado,
Ver um cadáver
Aprender a falar
Construir pontes, interessante
Brincar com o elétrico
Engenheiro, Choque!
Vamos enfim saber,
o que pensa o ser
Pensa ser ou um ser que pensa?
Mas por hora sugiro que jogue na mega-sena
Ou senão me acompanhe num vinho branco
Em um silêncio espontâneo..
E quem sabe façamos algumas estéticas literárias
Menos depressivas
Que as depreciadas estudadas
Vamos ensinar o grito no grito..
Grita!
Mas a garganta dói tanto,
o “bom dia” vai ter de ser
um sorriso, um aceno..
mas te levo em casa pequeno Pedro
sim eu vi!
ele tem uma televisão de plasma..
cola dez por dez
lavável e não tóxica
o que cresce como P.A.,
o que sobe como P.G.?
pense besteira
não pense demais,
pense de novo
pensa, pensa, pensa!
O “x” é três, o “y” é seis..

‘™

“Ela chega em casa, após Cassi Jones tê-la engravidado e fugido, após ser humilhada, por ser mulata, pela mãe do indivíduo, e ver o pai dele envergonhado e entristecido, diz ela para sua mãe:

- Nós não somos nada nessa vida..”

*Clara dos Anjos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn

Sal