Come Share My Life.

("Venha partilhar a minha vida" )


Um coração? Eu não preciso disso pra viver, nem desse líquido vermelho que perpassa minhas veias com minhas dores e dúvidas, não preciso! Eu sou alma pura, sem carcaça epitelial, sem costelas e serem serradas, eu não preciso desse órgão furado, nem dessa prova de fé, não preciso mais ser poeta, dane-se a arte e o mundo sedento, fechem esse vazio em mim, essa falha não humana, eu não preciso disso!


Posso correr, nadar não sei, fugir do conhecimento da prótese de vida, tudo estava tão bom, porque a harmonia se perdeu na esquina? Não me venha pedir opiniões sobre o surgimento da espécie, nada sei! E também não quero consolo agora, depois de, desatento, bater nesse iceberg. O que é da Gestão Financeira perto da Medicina, confiar em quais mentecaptos neoliberais? Eu não preciso disso!


Futuro, já não sei, já não sei se haverá entusiasmo ou dinheiro suficiente, vestibulares ou viagens, já não sei.. Parece-me que voltaram os janeiros traumatizantes, voltaram.. Quem irá embora dessa vez? Cheguei a pensar que tudo iria mudar, que tudo seria mais fácil daqui por diante (engano), agora eu deixo meus braços caírem na força da gravidade e me atiro no canto escuro da minha alma enquanto armo um sorriso tranqüilo na face..


Mas vamos pedir opiniões mais, alguém irá dizer o que esperamos ouvir, ou talvez algum vovô pegue minha cabeça coloque no ombro e diga: “não há jeito filho, vai ter de ser assim, mas saiba que vou estar contigo, todo momento..” e ao ver meu lacrimejar envergonhado afaga o cabelo e me deixa banhar seu casaco: “chora menino, chora que passa..”. Depois quem sabe ele me conte sua vida, entre uma e outra baforada no seu cachimbo guardado na minha gaveta, e me deixe usar seu chapéu para brincar de xerife.. Crianças de luz!


Coloco amor nesse coração? E se ele vazar, e se esse amor me inundar e pressionar meus pulmões? Mais, mais, mais, mais a ser vivido, discutido, a xingar o irmão e empatar seus namoros, não há tempo para essas bobagens inúteis de limpar a casa e cortar a grama, preciso encontrar meu tesouro, o baú de ouro e pérolas que fora guardado pra mim, sou pirata!


Eu não preciso! Não..


Me deixe assim, na leveza, só vivendo, sem maiores complicações, sem maiores sofrimentos, deixe-me quieto sem acúmulos de histórias pra contar, pra justificar a maturidade precoce.. Facilite as coisas por aqui, acabe com a saudade sem fazer o alheio infeliz, sana essa solidão mórbida que me persegue o pensamento, cura tudo agora!
E enquanto minha face, se ilumina parcialmente com a luz branca do desabafo da minha final arte, escuto, "Come Share My Life"...


‘™

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O déspota solitário de Tallinn